segunda-feira, 11 de julho de 2011

Diferença salarial entre homens e mulheres no Recife é menor que no resto do País



Por Ana Laura Farias, do Blog de Jamildo

Na Região Metropolitana do Recife (RMR), o rendimento das mulheres corresponde a 84% da remuneração recebida pelos homens. A nível nacional, a remuneração das mulheres corresponde a 56% dos salários pagos aos trabalhadores do sexo masculino, de acordo com o Anuário das Mulheres Brasileiras, divulgado neste mês pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). 

O rendimento médio por hora na RMR é de R$ 4,17 entre as mulheres e R$ 4,96 entre os homens.

Mesmo com uma disparidade menor em relação ao total do País, a diferença salarial ainda reflete uma diferenciação entre gêneros dentro das organizações, explica o diretor do Instituto de Pesquisas Socioeconômicas da Agência Condepe/ Fidem, Rodolfo Guimarães.

"O que se percebe, é que muitas vezes, essa diferença salarial entre homens e mulheres com a mesma profissão e nível de escolaridade se dá pelo fato de os homens assumirem, com maior freqüência, cargos de confiança e chefia, enquanto as mulheres ficam com as funções de apoio", explica o diretor. A agência Condepe é subordinada à Secretaria de Planejamento do Governo do Estado.

Segundo Rodolfo, a disparidade entre os dois gêneros no mercado de trabalho atinge todo o país. "Pernambuco não fica de fora disso. Quantas executivas de sucesso em grandes empresas nós temos aqui?", questiona.

"A estrutura social se reflete nos padrões das empresas", acrescenta. "Mesmo sabendo que o número de mulheres em Recife é superior ao de homens, essa diferença não é suficiente para alterar o quadro das disparidades", comenta o diretor de pesquisas.
   
 Em um período de dez anos, entre 2000 e 2010, a capacidade de o mercado re trabalho na RMR absorver a população feminina com nível superior diminuiu cerca de 5%. Em 2000, 79% das mulheres com graduação universitária estavam ativas no mercado de trabalho. Hoje, esse número não chega a 75%.

Entre os homens com ensino médio ou nível superior incompleto, o percentual de empregados com carteira assinada cresceu de 37% para 47%, entre 2000  e 2010, em empresas privadas. Entre as mulheres, esse número não atinge os 33%.

"Em Pernambuco, algumas pessoas ainda pensam em profissões 'de homem' e 'de mulher'. É uma questão cultural. Não sei se há muito o que ser feito", comenta a coordenadora dos cursos de Secretariado e da especialização em Gestão Estratégica do Capital Humano da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Simone Dias.

A professora acredita que a redução da disparidade em Pernambuco tem sido feita de forma "muito lenta". "É lógico que existem avanços, mas é notório que ainda existe um machismo muito grande na sociedade, e, sobretudo, nas empresas", finaliza. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Follow by Email