quinta-feira, 30 de junho de 2011

Suape planeja agregar avanço e sustentabilidade

Lançado ontem, programa vai traçar ações para Porto e entorno

Mesmo antes de ser lançado, o novo Plano Diretor do Complexo Industrial Portuário de Suape já permeia algumas ações, pelo menos no que diz respeito ao meio ambiente. Projetos como a ampliação da zona de proteção ecológica de 48% para 59%, por exemplo, são resultado dele. Em meio a um passivo ambiental próprio superior a 200 hectares para recuperar, foi oficializado ontem o Programa Suape Sustentável, que pretende reunir poder público, organizações de classe e a iniciativa privada para traçar ações não só no Porto, mas no seu entorno. O Governo do Estado e a administração portuária garantem que a preocupação veio em tempo hábil.

"O meu sentimento é que não existia a expectativa de um ritmo de investimentos tão intenso. Muito se fala do passivo e pouco se fala do ativo ambiental. O novo Plano Diretor trará um grande avanço. Nenhum complexo industrial ou portuário do mundo tem metade do espaço de proteção ecológica", apontou o vice-presidente do terminal marítimo, Frederico Amâncio. Segundo ele, 36 hectares do passivo estão sendo trabalhados atualmente. Outros 92 hectares foram autorizados para plantio. O restante deve ser incorporado no próximo mês.

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico e presidente do Porto, Geraldo Júlio, também rebateu as críticas de uma possível demora para tratar das questões ambientais, classificando-as como "piada". "Suape foi eleito diversas vezes o melhor por­to público do País e ganhou prêmio de melhor qualidade ambiental. Sustentabilidade é ter um processo produtivo cada vez mais eficiente e com tecnologia avançada. É isso que temos aqui", afirmou.

Entre os projetos assinados ontem pelo governador Edu­ardo Campos, ficou pré-acertado que a Refinaria Abreu e Lima (Rnest) implantará um Centro de Defesa Ambiental. "Trata-se de uma estrutura para atuarmos de maneira imediata em casos de acidentes (co­mo vazamentos de petróleo)", explicou o presidente da Rnest, Marcelino Guedes. O Governo fechou ain­­da um aditivo no valor de R$ 11 milhões relativo ao convênio com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para o controle urbano ambiental nos municípios que fazem parte do território estratégico do Complexo.

Em um discurso que defendeu o fim da desigualdade na região, Campos disse que o Programa Suape Sustentável é "mais um passo para a institucionalidade de uma nova governança" em Suape. Só no Porto precisam ser injetados R$ 4 bilhões em infraestrutura nos próximos anos, além de R$ 6 bilhões no entorno. "Vamos ser a primeira economia do Nordeste mais uma vez", emplacou o governador.

Fonte: Folha de Pernambuco

Cresce movimentação de contêneires

Tecon Suape completa dez anos e terá incremento com rota direta Ásia-PE

Completando dez anos de atuação no Porto de Suape, o Terminal de Contêineres de Suape (Tecon Suape) tem números a comemorar - contabilizando os 190 mil TEUs (unidade padrão para o contêiner de 20 pés) operados até agora, neste ano, a meta prevista de 400 mil TEUS. E entre os 23 terminais geridos no mundo pelo grupo filipino ICTSI (International Container Terminal Services, Inc), o Tecon Suape é aquele que acumula maior crescimento nos últimos anos, "disparado", de acordo com o CEO, Sergio Kano. "O grupo tem a filosofia de não investir em portos grandes, em áreas desenvolvidas, que tenham cres­cimento vegetativo. O Te­con Suape começou vocacionado a crescer e cresceu por estar em Pernambuco. Devemos 100% do nosso crescimento ao fato de estarmos aqui", declarou.

E a tendência é aumentar. A movimentação de contêineres terá incremento extra de cerca de 200 mil TEUs/ano quando começar a rota direta Ásia-Pernambuco, sem escalas, operada pela a alemã Hamburg Süd, uma das maiores empresas de logística do mundo. Aliás, a Hamburg Süd é responsável por 50% de toda a carga movimentada por Suape e a nova operação, a partir de 4 de agosto, acrescentará mais 10% ao total.

O Tecon Suape é o único operado pelo ICTSI no Brasil, mas segundo Kano, haveria interesse em implantar terminais ainda nas regiões Sul e Sudeste, mas há tempos licitações não são abertas. Por ora, o grupo está em vias de adquirir um outro que atua em Singapura. Se a negociação for efetivada, serão mais seis portos, em Sigapura, África e outros países da Ásia como Indonésia.

Por aqui, os investimentos anunciados são de R$ 200 milhões em equipamentos e infraestrutura. De acordo com o diretor Comercial, Rodrigo Aguair, o maquinário novo vai tornar o Tecon mais específico em operações com transbordo e aumentar a capacidade do terminal em volume de TEUs. "Somos o segundo porto do Brasil em operações por cabotagem e, com esses novos equipamentos, no mínimo, vamos consolidar essa posição", enfatizou. Desde o início das operações, em 2001, o Tecon aumentou em 15 vezes a movimentação de contêineres em Suape.

Fonte: Folha de Pernambuco

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Complexo pode ter CD para multimarcas

O Complexo Industrial Portuário de Suape deve ganhar um novo centro de distribuição (CD) de veículos, que vai se juntar às unidades da GM, já em operação, e da Shineray, que ainda não teve as obras iniciadas. Os indícios mais fortes dão conta de que a unidade seria um centro logístico multimarcas, que forneceria uma espécie de serviço terceirizado às montadoras, o que já era cantado pela antiga administração do Porto. O CD vai ocupar uma área de 24,9 hectares, conforme abertura de processo licitatório publicada no Diário Oficial do Estado da última quinta-feira.

Segundo informações extra-oficiais, podem desembarcar no centro logístico automóveis das marcas Volkswagen e Land Rover. Apesar da tendência da implantação de um CD destinado a fabricantes variados, também se comenta nos bastidores que um grupo chinês de motocicletas, concorrente da Shineray, estaria interessado em abrir uma unidade de distribuição no Complexo.

O Porto de Suape não quis se pronunciar sobre o assunto e se limitou a dizer que a concorrência está em andamento. No entanto, a administração anterior do terminal já havia recebido propostas de operadores multimarcas e de montadoras. O último nome a circular em Pernambuco, além da garantida Fiat, foi o da sul-coreana Hyundai. O negócio deu para trás, principalmente em razão de incentivos fiscais do Governo Federal. A abertura das propostas está prevista para o fim de julho.

Fonte: Folha de Pernambuco

Governo lança amanhã o programa Suape Sustentável, orçado em R$ 11 milhões

O governador Eduardo Campos participa amanhã (29), às 9h30, no auditório do Centro Administrativo de Suape, do lançamento do programa Suape Sustentável, fórum que reunirá poder público estadual, municípios, entidades da sociedade civil organizada e iniciativa privada com o objetivo de propor e executar ações sustentáveis conjuntas no complexo portuário.

Durante o evento, haverá a assinatura de um aditivo do convênio entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o governo do estado, no valor aproximado de R$ 11 milhões. Os recursos são destinados ao controle urbano ambiental do Território Estratégico de Suape. 

A Agência Condepe Fidem, vinculada à Secretaria de Planejamento e Gestão, administrará os recursos, que viabilizarão ações de ordenamento territorial, controle urbano, capacitação e treinamento junto às prefeituras do Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca, Jaboatão dos Guararapes, Escada e Moreno. 

Será assinada também a autorização para contratação do Projeto Executivo para recuperação da linha férrea e de Veículo Leve sobre Trilhos – VLT, além da criação de um terminal de ônibus em Suape. O VLT ligará Cajueiro Seco ao Cabo de Santo Agostinho, integrando-se ao metrô, com um ramal até a estação Massangana, que fica dentro da área do complexo. O terminal de ônibus também será integrado ao metrô e ao VLT.

Eduardo assina ainda a autorização para contratação de Projeto Executivo para construção de Unidade Integrada de Segurança – UIS em Suape, que hoje utiliza a unidade de Ipojuca e a partir da construção passará a ter policiamento exclusivo.
Habitação
O governo encaminhará à Assembleia Legislativa Estadual, na ocasião, um Projeto de Lei que autoriza contratar financiamento de R$ 83 milhões com a Caixa Econômica Federal para atendimento habitacional através do Pró-moradia. Hoje, cerca de 6,2 mil famílias vivem em Suape, e aproximadamente 3,6 mil delas já moram em áreas consideradas adensamentos urbanos.
Estas terão suas moradias regularizadas e o local onde vivem urbanizado, segundo as diretrizes do novo plano diretor do complexo. As outras 2,6 mil serão realocadas e indenizadas, e suas novas moradias serão construídas através do programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal.

Fonte: Pernambuco.com

terça-feira, 28 de junho de 2011

Consórcio Ipojuca oferece 1.248 vagas para construção civil


O Consórcio Ipojuca Interligações, empresa localizada no Cabo de Santo Agostinho, está ofertando 1.248 vagas para trabalhadores que atuam na área da construção civil. As oportunidades são para diversos cargos, de níveis fundamental, médio e superior.

Entre as chances, destacam-se a de ajudante, com 401 vagas, armador (125), auxiliar de sinalizados (35), auxiliar de eletricista (10), auxiliar técnico (02), auxiliar de topografia (10), caldeireiro (10), carpinteiro (161), eletricista de manutenção (12), encanador (10), encarregado de armação (05), encarregado de carpinteiro (12), encarregado de concreto (23), encarregado de obra (03), encarregado de mecânica (10), encarregado de pedreiro (25), encarregado de produção (12), encarregado de solda (10), encarregado de tubulação (10), engenheiro civil (05), lavador (02), lixador (14), marteleteiro (41), marceneiro (10), mecânico montador (10), motorista/betoneira (04), motorista/caminhão caçamba (40) e motorista/caminhão munck (10).
Além dessas vagas, há outras chances para operador caminhão/munck (10 chances), operador de trator de pneus (10), operador de escavadeira (20), operador de manipuladora (10), operador de motoniveladora (10), operador de pá mecânica (10), operador de trator de esteira (10), operador de retro-escavadeira (10), pedreiro (76), revestidor industrial (10), rigger (10), sinaleiro de movimentação de cargas I (10), soldador (20) e topógrafo (10).

Como se inscrever
Os interessados em preencher uma das 1.248 vagas podem enviar o currículo para três canais de comunicação com a empresa: o selecao@consorcioipojuca.com.br (com o título da vaga no "assunto"), pelos Correios, para a Caixa Postal 180, cidade do Cabo de Santo Agostinho (PE) ou para a rua Washington Luiz nº 80, Centro - Cabo de Santo Agostinho (PE), CEP: 54510-4400

Da Folha de Pernambuco

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Tecon completa dez anos em Suape

Terminal coloca porto na 2a posição em volume de operações por cabotagem

"Esse é o período mais significativo pelo qual passamos", considera Rodrigo Aguiar, diretor Comercial do Terminal de Contêineres do Complexo Industrial Portuário de Suape (Tecon Suape), que completa dez anos de operações no porto pernambucano. O Tecon é gerido pelo International Container Terminar Services Incorporated (ICTSI), grupo filipino que venceu a licitação internacional no início da década passada. Tem 20 anos de mercado e opera em 23 portos do mundo, em qua­tro continentes. Desde lá, já aumentou em 15 vezes a movimentação de contêineres e coloca o Porto de Suape na segunda posição nacional em volume de operações por cabotagem.

"É muito importante para nós participarmos ativamente desse momento", disse o CEO do Tecon, Sergio Kano. Ele falou da evolução pela qual passou o terminal, de 30 mil TEUs (unidade padrão para o contêiner de 20 pés) movimentados no início da operação, em 2002, para os quase 400 mil TEUs atuais - e disse não acreditar que o crescimento se estabilize, por ora.

No ano passado, o Tecon movimentou 340,4 mil TEUs, 25% a mais que em 2009, o ano da crise. "Estávamos esperando chegar perto dos 400 mil TEUs movimentados, mas acreditamos que isso será superado", diz Aguiar, baseado nos números acumulados até o mês passado, 33% maiores que o mesmo período de 2010 (165,5 mil TEUs contra os 128,3 mil TEUs anteriores). Até a primeira quinzena de julho, o Tecon atinge seu segundo milhão de TEUs acumulados. "A velocidade de crescimento é exponencial. Esperamos chegar ao terceiro milhão em dois anos", comentou ainda o diretor. Para servir de comparação, o Te­con operou por seis anos, até junho de 2008, para atingir seu primeiro milhão de TEUs.

Antigamente, relembrou Aguiar, Suape operava contêineres em um pátio público, com equipamentos de bordo dos próprios navios. Além da área gerida, o Tecon trouxe portêineres, transtêineres e empilhadeiras que suportam até 45 toneladas, apropriados para essa operação. "Con­seguimos velocidade e Suape se tornou um porto mais atrativo", pontuou. Começou com serviço de longo curso, com importação e exportação de cargas. "Com a consolidação, incluímos a operação por cabotagem, que, além de levar e trazer cargas em território nacional, serve de complemento para os transportes de longo curso", exemplificou.

O acumulado é de R$ 200 milhões em investimentos (em equipamentos, tecnologia da informação e qualificação de mão de obra) e mais R$ 100 milhões estão previstos para "dar suporte ao aumento da demanda, com a construção de mais um pátio de contêineres". Expansões e melhorias, garantiu Aguiar, acontecem todos os anos.

Um novo terminal de contêineres em Suape já está em vias de ser licitado, mas Aguiar explicou que a capacidade do Tecon ao longo dos anos vai depender de diversos fatores, como a velocidade de cada operação e do tempo médio de permanência de um contêiner no pátio. O Tecon Suape está ligado a todo mundo, tanto para exportação quanto para importação. Em contêineres, transporta produtos químicos, alimentos, produtos siderúrgicos e de higiene, algodão cru, produtos têxteis e tecidos (principalmente da China), além de máquinas e equipamentos.

Fonte: Folha de Pernambuco

terça-feira, 21 de junho de 2011

Ferrovia deve pagar para passar em Suape


O Complexo Industrial Portuário de Suape deve firmar uma espécie de contrato de arrendamento com a Transnordestina Logística S.A. (TSA), empresa responsável pela ferrovia que conectará Eliseu Martins (PI), Pecém (CE) e o terminal pernambucano. O acordo para que a malha possa adentrar o Porto, chamado juridicamente de "servidão de uso", resultará em um custo mensal à TSA e que não foi estimado. Os ramais ferroviários dentro de Suape estão sendo discutidos e uma resolução sobre o assunto está prevista para o fim do próximo mês.

O traçado novo da chegada da ferrovia em Suape, que precisou ser refeito, já foi aprovado e as conversas agora são apenas no que diz respeito aos 30 ou 40 quilômetros de passagem interna, segundo informou o secretário executivo de Projetos Estruturadores de Desenvolvimento Econômico do Estado, Sidnei Aires. "Um ramal vai para a área portuária, em frente à Refinaria (Abreu e Lima), e outro passará pela Ilha de Tatuoca. Eles serão interligados às plantas da Fiat e da Siderúrgica (CSS)", explicou. O Porto de Suape não confirmou prazos e disse que o funcionamento da rota só será estabelecido após a conclusão do traçado, ainda em discussão.

Para o mês de julho também é aguardada a assinatura de um aditivo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para a liberação da verba indenizatória das desapropriações da região de Suape. Estima-se que serão necessários mais R$ 30 milhões a R$ 40 milhões para cerca de 500 ações. A expectativa inicial era de que o processo fosse resolvido em abril. "Temos reuniões a cada 15 dias em Brasília para detalhar projeto, traçado e laudos, até chegarmos a um número final. São dados técnicos que precisam ser bem justificados. Iniciamos a elaboração dos laudos para pagamento e a maior área é de plantação de cana", afirmou Sidnei Aires.

O valor do aditivo é cerca do dobro dos processos ajuizados até agora. Da divisa do Piauí até Ribeirão, são aproximadamente duas mil ações, que somam R$ 20 milhões e foram quase todas acordadas na Justiça. A ferrovia Transnordestina está avaliada em R$ 5,4 bilhões, mas um processo de revisão de preços está em análise há pelo menos dois meses no Ministério dos Transportes. O empreendimento deve ficar pelo menos 15% mais caro.

Fonte: Folha de Pernambuco

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Ipojuca formará mil soldadores com certificado internacional

O fortalecimento da indústria naval em Pernambuco tem aberto novas oportunidades de emprego no estado, mas ainda é preciso investir fortemente em mão de obra. Atenta às demandas do Complexo de Suape, sobretudo de empresas como o Estaleiro Atlântico Sul (EAS), a Prefeitura de Ipojuca anunciou nesta quarta-feira um programa de capacitação que visa à formação de mil soldadores no município. 
 
Os cursos serão realizados gratuitamente com turmas de 40 alunos cada e duração de três meses de aulas e treinamentos, inclusive nos finais de semana. As datas de inscrição e de início das aulas ainda não foram fechadas. A divulgação do calendário ocorrerá nas próximas semanas, informou a prefeitura.

A grade curricular inclui, além de prática em soldagens, aulas de português, matemática e ética, por exemplo. Os concluintes aprovados receberão certificados de formação técnica com reconhecimento internacional para o exercício da profissão.

O programa de formação de soldadores terá um aporte de R$ 2 milhões de recursos municipais e oferecerá aos alunos todo o material técnico e didático, fardamento, refeições e assistência pedagógica durante os 90 dias de aulas. Os cursos serão realizados no município.

terça-feira, 14 de junho de 2011

PE terá maior fábrica solar do Brasil

A Ecosolar espera concluir nos próximos meses um financiamento com o BNDES para a construção da primeira fábrica de painéis fotovoltaicos com película fina (thin film) da América do Sul, em parceria com a suíca Oerlikon. A unidade será instalada no complexo industrial de Suape, em Pernambuco e terá capacidade para produzir 120 MWp por ano. Para se ter uma idéia do porte, estima-se que hajam 20 MWp solares instalados atualmente no Brasil.

O investimento será da ordem de R$ 300 milhões, dos quais um terço já foi levantado com o fundo de private equity FXX Corporate. O financiamento do restante está sendo negociado com outro fundo de investimentos americano e com o banco estatal, etapa que falta para dar início à execução do projeto.
"Esperamos fechar o finaciamento nos próximos meses e começar a operar no ano que vem", afirma Emerson Kapaz, presidente da Ecosolar. "O tamanho da planta mostra que estamos apostando no enorme potencial do Brasil."

Também está nos planos da empresa exportar parte da produção, inicialmente para países da América do Sul e, futuramente, para outros locais, como os Estados Unidos. 
A fábrica terá capacidade para produzir 850 mil painéis por ano. O terreno será doado pelo governo de Pernambuco, que assinou no fim do ano passado um protocolo de intenções com as empresas.
Os painéis com a tecnologia de filme fino são menos eficientes energeticamente, no entanto, mais leves e baratos dos que as placas fotovoltaicas rígidas, fabricadas com silício cristalino. A estimativa inicial é que um painel com potência de 140Wp seja vendido por cerca de R$ 300. Uma placa fotovoltaica rígida de capacidade semelhante é vendida atualmente por R$ 1.200 a R$ 1.500 no mercado nacional.

Dragagem do Estaleiro Promar deve começar no fim de julho

Empresa holandesa venceu licitação do serviço que vai custar R$ 94 milhões

A empresa holandesa Van Oord foi a vencedora da licitação para obras de dragagem do canal que vai viabilizar o acesso ao Estaleiro Promar, em Suape. O contrato é de R$ 94 milhões, e as obras estão marcadas para começar no fim do próximo mês. A mesma companhia realizou a dragagem do Porto do Recife em 2009.

A dragagem é uma técnica de engenharia utilizada para retirar materiais do fundo de corpos de água. No porto de Suape, a ação é necessária para fazer com que as áreas sejam navegáveis. Ao final do processo, o canal de dragagem de acesso ao promar vai atingir 11 metros de profundidade.

PROMAR

O Promar foi vencedor da licitação para a construção de oito navios gaseiros do Programa de Expansão e Modernização da Frota da Transpetro (Promef), num total estimado em US$ 536 milhões. A unidade conta com investimentos de R$ 300 milhões e será instalada próxima ao Estaleiro Atlântico Sul, na Ilha de Tatuoca.

Caixa já financiou R$ 7 bilhões para empresas de petróleo e gás

A Superintendência de Petróleo e Gás da Caixa Econômica Federal já fechou R$ 7 bilhões em negócios nos seus 15 meses de existência, com empresas de todos os tamanhos do setor, principalmente fornecedores da Petrobras, disse nesta segunda-feira o superintendente regional da Caixa, Edalmo Porto Rangel.

Segundo ele, a estimativa é que a nova superintendência supere este ano R$ 20 bilhões em crédito devido ao dinamismo do setor. "O ânimo dos empresários é muito grande, não só aqueles que já são provedores, como empresas que fornecem para outros setores e estão querendo entrar no rol de fornecedores da Petrobras", afirmou.

Além das operações tradicionais de crédito, a Caixa, segundo Rangel, provê soluções sociais para as empresas do segmento de petróleo e gás, como financiamento de moradias para os trabalhadores e crédito para projetos de saneamento.

Para o Estaleiro Atlântico Sul (EAS), localizado no Complexo Portuário de Suape (PE), por exemplo, a instituição está financiando um condomínio residencial com 1.328 moradias para os funcionários da empresa, com recursos no valor de R$ 75 milhões, do Programa Minha Casa, Minha Vida.

Segundo o superintendente da instituição, a ideia é fazer com que as atividades de exploração de petróleo e gás deixem um legado sustentável nas regiões, ao contrário do que ocorria no passado. "Hoje, não se aceita mais você chegar a um ambiente e fazer um processo predatório que gere desigualdades", disse.

A Caixa Econômica Federal será a única instituição financeira a participar, a partir de terça-feira, da Feira e Conferência Internacional da Indústria de Petróleo e Gás Brasil Offshore, em Macaé (RJ). Edalmo Rangel disse que a expectativa é iniciar contatos no evento para a realização de negócios entre R$ 20 milhões e R$ 30 milhões e consolidar sua marca com o setor. Participam do evento 636 empresas.

Holandesa fará obras de dragagem no canal de acesso ao estaleiro Promar

A holandesa Van Oord foi a vencedora da licitação para as obras de dragagem do canal de acesso ao estaleiro Promar, que será construído na Ilha de Tatuoca, no Complexo Industrial Portuário de Suape. A obra terá início até o fim deste mês e deve ficar pronta em 12 meses. Como explicou o vice-presidente de Suape, Frederico Amâncio, consiste na continuidade do canal já aberto para operação do Estaleiro Atlântico Sul (EAS), já previsto no projeto do Porto, e está orçada em R$ 94 milhões.

As obras de construção do Promar devem começar em julho e o estaleiro já tem encomendas de oito navios gaseiros do Programa de Expansão e Modernização da Frota da Transpetro (Promef), cujo valor estimado chega a US$ 536 milhões. O novo estaleiro vai receber investimentos de R$ 300 milhões, ocupando uma área de 80 hectares, próximo do local onde já opera o Estaleiro Atlântico Sul (EAS). A obra executada pela Van Oord vai abrir um canal de acesso com 11 metros de profundidade, que permite a navegação de navios. "No caso do Atlântico Sul, antes mesmo da conclusão do primeiro galpão, teve início o corte de chapa de aço", comentou Amâncio. A previsão é de que o Promar comece a operar 36 meses após o início das obras.

Ainda nesta semana, será aberta licitação para obra de aprofundamento do Porto de Suape, cujo projeto prevê profundidade de 20 metros, capacidade para receber navios petroleiros e de minério, ampliando a capacidade operacional do Porto de Suape dentro dos padrões internacionais. De acordo com Amâncio, o porto está em fase final de estudos para a construção de um novo canal na região portuária, que vai viabilizar o surgimento dos cais 6, 7, 8 e 9 e ampliação dos clusters naval e offshore.

Fonte: Folha de Pernambuco

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Tecon ocupa 2a posição em volume de operações

O Terminal de Contêineres de Suape (Tecon Suape) deixa o porto pernambucano na segunda posição nacional em volume de operações por cabotagem. De acordo com o CEO do Tecon, Sergio Kano, o terminal tem, hoje, capacidade operacional de 450 mil TEUs/ ano. "Até o fim do ano, já deve chegar a 750 mil TEUS/ano", dis­se. Pa­ra isso, até 2012, serão investidos cerca de R$ 100 milhões somente em operações nos pátios, pavimentação e e­quipamentos.

Sergio Kano explicou ainda que o mercado brasileiro de transporte de cargas em contêineres tem potencial para movimentar 1,2 milhão de TEUs anuais. Para se ter uma ideia do crescimento da operação em Pernambuco, Kano disse que o Tecon levou seis anos para atingir seu primeiro milhão de TEUs movimentados (entre 2002, quando o terminal come­çou a operar, e 2008). "Va­mos atingir nosso segundo milhão em julho e o terceiro milhão em menos de dois anos", calculou.

Essa grande movimentação antecipa a implantação do novo terminal de con­têineres de Suape de 2014 para 2013, em uma área prevista de 38 hectares. Sobre is­so, Sergio Ka­no disse que o novo terminal se­rá necessário no futuro. "Não podemos ter uma autofagia, mas também não podemos per­der a oportunidade de crescer, ficando sufocados". Suape não operava em cabotagem até 2000 mas, hoje, esse tipo de navegação representa cerca de 50% da movimentação.

Fonte: Folha de Pernambuco(PE)

Petrobras e PDVSA se reúnem para definir pendências sobre Refinaria Abreu e Lima

Os especialistas da Petrobras e da estatal venezuelana Petróleos de Venezuela (PDVSA) reúnem-se hoje e amanhã para retomar as negociações sobre o repasse de recursos para a construção da Refinaria Abreu e Lima. A Venezuela tem até agosto para fazer os aportes de recursos para se tornar sócia do Brasil na refinaria, que está sendo construída no Complexo Industrial Portuário de Suape, no Cabo de Santo Agostinho.

O assessor especial da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, confirmou hoje (6) que a data de agosto está mantida. A refinaria deverá custar R$ 26 bilhões. No projeto básico, as estimativas indicavam custo final de US$ 4 bilhões.

Dos R$ 26 bilhões, a Petrobras investiu R$ 7 bilhões na unidade e informou que encerra o pagamento de R$ 10 bilhões, financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), até agosto.

Pelo acordo existente entre a Petrobras e a PDVSA, a refinaria vai processar 230 mil barris por dia, sendo metade produzido na Bacia de Campos e metade vindo da Venezuela. A diferença entre esses dois tipos de petróleo obrigou a Petrobras a separar o processamento do óleo, o que encareceu a planta.
Da Agência Brasil

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Novas tecnologias acirram disputa entre fornecedores

A curvatura de tubos de aço gigantes por um processo chamado de indução elétrica, uma das novas tecnologias que estão sendo incorporadas às obras da Petrobras, está gerando uma disputa entre pelo menos três empresas nacionais pela primazia de fechar os primeiros contratos com a estatal e suas empreiteiras. As cariocas EBSE e Protubo e a paulista Maxen (ex-Mercotubos) já possuem máquinas que executam a curvatura com raio de até uma vez e meia o diâmetro do tubo, que é a capacidade necessária para fabricar tubulações para refinarias ou para plataformas de produção do tipo FPSO (sigla em inglês para navio de produção, processamento, armazenamento e transferência de petróleo e gás).

Com base na experiência internacional, o engenheiro Sergio Donizete, da Petrobras, disse que essa metodologia, que dispensa o uso de solda e de conexões nas dobras das tubulações, permite um ganho de produtividade de até 50% na montagem dos "spools", nome técnico dado a esse tipo de tubulação. Já é comum no Brasil o uso da curvatura por indução elétrica, mas para tubulações com curvaturas mais suaves, como as utilizadas em dutos de transporte.

Tanto a EBSE como a Maxen criaram filiais no Complexo Industrial e Portuário de Suape, em Pernambuco, com o objetivo de disputar contratos para o fornecimento das tubulações da refinaria Abreu e Lima (Rnest). No mês passado, durante a feira petrolífera OTC (Offshore Technology Conference), em Houston (EUA), a EBSE associou-se à americana Shaw, proprietária da holandesa Cojafex que fabrica máquinas de curvatura por indução elétrica de raio fechado.

Segundo Fernando Biato, diretor da EBSE responsável pelo comando da parceria, a máquina permite rapidez até 20 vezes maior do que o tradicional processo de montagem de tubulações. A máquina que está sendo trazida para o Brasil foi alugada e a associação EBSE-Show está investindo US$ 10 milhões no projeto e pretende colocar a unidade de Pernambuco em operação até início de julho.

A Protubo, uma empresa que nasceu em 1975 para fornecer componentes para a então florescente indústria naval brasileira, é uma associação entre as japonesas Ishikawajima Harima e Dai-Ichi High Frequency.

Segundo Sergio de Oliveira, diretor de Negócios da empresa, a Protubo possui quatro máquinas de curvatura por indução elétrica, sendo três usadas em curvas de raio aberto e uma para curva de uma vez e meia o diâmetro do tubo, esta é portátil trazida do Japão. Segundo Oliveira, a máquina já instalada no Brasil permanecerá na fábrica do Rio de Janeiro, destinada a obras como o Comperj e as FPSOs que a Petrobras vai construir. Se houver necessidade de uma máquina para o Nordeste, será trazida outra do Japão.

A Maxem, controlada pelo fundo de investimentos Green Capital, investiu R$ 30 milhões para instalar uma fábrica em Pernambuco e vai investir R$ 40 milhões para montar outra no Rio de Janeiro (já possui uma unidade em Atibaia). A máquina de curvatura por indução elétrica com que pretende disputar o mercado de petróleo é de fabricação holandesa, como a da EBSE-Shaw.

(Fonte: Valor Econômico/CS)

PPP logística será apresentada hoje

Serão necessários R$ 3 bi para construir porto e aeroporto no Litoral Norte

A proposta de interesse de uma Parceria Público-Privada (PPP) para a construção de um complexo logístico, formado por porto e aeroporto, nas proximidades de Goiana, no Litoral Norte, será apresentada hoje ao Comitê Gestor das PPPs do Governo do Estado. O orçamento inicial das empresas STR Engenharia e Promon, que ficarão responsáveis pelos estudos preliminares em caso de aprovação, é de R$ 3 bilhões. Outras duas manifestações podem ter sinal verde. Serão avaliadas as possibilidades de PPP para o Arco Metropolitano Rodoviário, avaliado em R$ 600 milhões, e para a Plataforma Logística de Salgueiro, estimada em R$ 1,8 bilhão.

Os parceiros privados procuraram o Estado em janeiro e um forte grupo chinês já estaria planejando erguer um estaleiro no que seria o terceiro porto pernambucano. O Governo diz que tudo não passou de sondagem, até porque o Complexo Industrial Portuário de Suape tem capacidade para receber mais seis ou sete indústrias de navios, segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico e presidente do terminal, Geraldo Júlio.

A ideia é de complementaridade entre os dois empreendimentos. "É preciso desconcentrar os investimentos, pois no médio a longo prazo não vai dar para pensar no desenvolvimento do Estado só por Suape", pontuou. Nos últimos oito anos, enquanto o Litoral Sul cresceu 86%, o Norte chegou a 23%.

Se autorizado, o estudo que identificará os impactos econômicos, financeiros e ambientais do complexo no Litoral Norte deve durar três meses, mesmo período para o levantamento da Plataforma de Salgueiro, cujo interesse é do Grupo Libra. Para o Arco Metropolitano, o tempo é maior, cerca de seis meses, a cargo do Grupo Invepar. São 99 quilômetros que servirão de escoamento para o caótico trânsito da BR-101, que se transformou em uma via urbana.

"A obra será tão importante como foi o Rodoanel, em São Paulo, e o Arco do Rio de Janeiro. O Estado também vai fazer a licitação para um grande corredor de ônibus na BR-101. Estamos discutindo o assunto com o Tribunal de Contas para lançar o edital até o fim do mês", adiantou o governador Eduardo Campos. A expectativa do gestor é que as propostas de interesse passem pelo Comitê das PPPs. "Nossa primeira impressão é que o Conselho vai aprovar os estudos, que são um olhar estratégico para a Mata Norte", disse. Nenhum dos projetos ainda tem área definida.

De acordo com a Lei das PPPs, após os estudos de viabilidade, o governador definirá pela modalidade de PPP ou pela concessão dos empreendimentos. Vários pareceres de órgãos de controle serão elaborados, até a convocação de uma consulta pública, que fica aberta durante 30 dias. Depois disso, o Estado tem mais uma semana para publicar o edital de licitação. O Governo já desenvolve as PPPs da Arena da Copa, da unidade de ressocialização de Itaquitinga e do sistema viário do Paiva.

Fonte: Folha de Pernambuco.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Empresas instaladas no Complexo Industrial de Suape

Lista atualizada das empresas instaladas no Completo Industrial de Suape

Porto do Recife se prepara para a Copa do Mundo

Ainda este mês, o governo do Estado lança edital para escolha da empresa que executará a obra. Os trabalhos estão previstos para começar em outubro e o novo espaço para recepção de turistas fica pronto em fevereiro de 2013

A proximidade da Copa do Mundo de 2014, sediada no Brasil, acelerou a construção do Terminal Marítimo de Passageiros do Porto do Recife, localizado na área central da capital pernambucana. Ainda este mês, o governo do Estado lança edital para escolha da empresa que executará a obra. Os trabalhos estão previstos para começar em outubro e o novo espaço para recepção de turistas fica pronto em fevereiro de 2013.

"Colocaremos o edital na rua no próximo dia 17", informa o presidente do Porto, Pedro Mendes. O terminal ocupará os armazéns 7 e 8, que serão recuperados e adaptados aos novos usos. Contará com restaurante, lanchonete, loja de artigos para presentes, postos da Receita Federal, da Polícia Federal e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Também estão previstos alfândega e um receptivo para o visitante, batizado de Sala Pernambuco.

A obra no armazém 7, um galpão reformado onde os visitantes são recepcionados quando desembarcam dos navios, mas sem climatização, custará R$ 21,8 milhões ao governo federal. São recursos do PAC da Copa, liberados pelo Ministério do Turismo, e não haverá contrapartida do Estado, diz Pedro Mendes. O armazém tem cerca de 20 mil metros quadrados de área construída.

As mudanças no armazém 7 e a construção da Sala Pernambuco integram o projeto do Porto Novo. As propostas encontram-se na Secretaria Especial de Portos (SEP), para serem analisadas. Só depois, o governo abre a licitação.

Fonte: Jornal do Commercio (PE)

Primeiro navio porta-contêiner do país chega a Suape na quarta-feira

O primeiro navio porta-contêiner do país, construído com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), aportará no Complexo de Suape na próxima quarta-feira (8). Esta é a primeira escala que o navio Log-In Jacarandá faz na região Nordeste. O navio entrou em operação no início de maio no Terminal de Vila Velha,  no Espírito Santo, partindo em direção ao Porto de Santos, e depois seguiu para a região Sul. Após a escala em Suape, o navio seguirá para os portos de Pecém (CE) e Manaus (AM).

O Log-In Jacarandá é o primeiro navio porta-contêiner construído no Brasil em 20 anos. A embarcação faz parte de uma encomenda de sete navios que a Log-In tem com o Estaleiro Ilha–Eisa, localizado no Rio de Janeiro. 

No total, são cinco navios do tipo porta-contêiner e dois graneleiros. O investimento da Log-In na construção dos navios é de cerca de R$ 1 bilhão, financiado com recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM) e tendo o BNDES como agente financeiro.

Segundo Vital Jorge Lopes, diretor-presidente da Log-In Logística Intermodal, a cada viagem será possível retirar das estradas brasileiras cerca de 2,8 mil caminhões, por ser mais eficiente energeticamente e por ter uma grande capacidade de carga.


Durante dois anos, cerca de três mil trabalhadores participaram da construção do navio, que tem capacidade para transportar 2.800 TEU's (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) ou cerca de 38 mil toneladas de porte bruto. O Log-In Jacarandá pesa cerca de 10 mil toneladas vazio e pode chegar a 47 mil toneladas carregado. Possui 218,45m de comprimento total, 29,80m de boca (largura), 11,60m de calado máximo e velocidade de 20 nós (no calado de projeto de 10,60m).

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Petroquímica Suape já produz

O Brasil vai economizar US$ 1 bilhão ano na importação de PTA e fios de poliéster quando a Petroquímica Suape entrar em operação plena, no primeiro semestre de 2012. Com duas máquinas de texturização operando parcialmente e PTA importado, o complexo já produz 100 t/mês, que são comercializados por um escritório em São Paulo.

O projeto prevê a produção de 700 mil t/ano de PTA, que alimentarão outras duas plantas integradas de PET e fios de poliéster, com capacidade para 450 mil t/ano e 240 mil t/ano, respectivamente. O complexo utilizará como matéria-prima o paraxileno, que inicialmente será importado e futuramente fornecido pelo Comperj.

O consumo de fios de poliéster importados no Brasil é de 160 mil t/ano. O material é aplicado principalmente na fabricação de vestuário. Só na linha de texturização, o complexo terá 64 máquinas, duas vezes maior que a maior fábrica de fios no Brasil. "Pela escala e modernidade da planta, seremos muito competitivos como o fio importado", garantiu o diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa.

A Petrobras passou a controlar 100% do projeto após a desistência da Vicunha, que negociava uma participação de 40% da planta de PTA e 60% da unidade de poliéster. A companhia procura parceiros para dividir o investimento, estimado em R$ 5 bilhões. A Braskem é uma das empresas que estão em negociação com a estatal.
Até 2014, a Petrobras projeta um aumento de 9,5% no consumo de PET e de 6,2% no de fios de poliéster, impulsionados entre outros fatores pela realização de eventos, como Copa do Mundo e Olimpíadas. O faturamento previsto para o projeto é de R$ 4 bilhões/ano. "Todo o PTA consumido no Brasil é importado", comentou o diretor de operações da Petroquímica, Carlos Pereira.
O empreendimento tem como parceiros tecnológicos a Invista, na unidade de PTA, a Lurgi e a Buhler, na de PET, e a TMT, na de fios de poliéster.

Fonte: Energia Hoje

PPP pode levar novo porto para Pernambuco


Está em gestação em Pernambuco um grande projeto de Parceria Público Privada (PPP) para a construção de um novo porto e um novo aeroporto no litoral norte do Estado, projeto cujo investimento pode atingir R$ 2 bilhões. O empreendimento chegará para absorver a demanda de empresas interessadas em se instalarem em Pernambuco, mas que já não encontram áreas compatíveis com suas necessidades no Complexo Portuário de Suape, que fica no litoral sul.

É o caso de um estaleiro chinês, cujo nome não foi divulgado, que pretendia montar plataformas de petróleo em Suape, mas não encontrou disponível no ancoradouro nenhuma área com acesso direto ao mar. Ciente do caso, um grupo de petróleo de São Paulo identificou a oportunidade de levar o empreendimento chinês para o litoral norte, em uma área próxima à Ilha de Itamaracá.

Foram identificadas na região características favoráveis à instalação de um porto, especialmente no que se refere à profundidade das águas, disponibilidade de terrenos e proximidade com o mercado consumidor. De acordo com uma fonte do governo estadual, desde então está sendo analisada a viabilidade ambiental do empreendimento, bem como os projetos de engenharia e os trâmite do edital de lançamento de uma PPP.

O parceiro privado seria uma empresa paulista do ramo de petróleo, cujo nome não foi divulgado. O governo de Pernambuco deve entrar no projeto com os investimentos em acessos rodoviários. Cinco grandes grupos empresariais já teriam manifestado interesse em se instalar no local, onde se pretende criar um complexo logístico integrado com porto, aeroporto e rodovia. Além de Suape, Pernambuco conta ainda com o Porto do Recife, que fica na capital e está sendo revitalizado.

O governador Eduardo Campos (PSB) deve dar maiores detalhes sobre o projeto nesta segunda-feira, em evento que contará com a presença do ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho.

Fonte: Valor Econômico

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Presidente da Fiat confirma participação em audiência pública no dia 28

O presidente da Fiat para a América Latina, Cledorvino Belini, confirmou a participação da montadora na audiência pública sobre a instalação de uma fábrica da empresa no Complexo Industrial Portuário de Suape, no Cabo de Santo Agostinho. A reunião, que está sob a responsabilidade da Comissão de Desenvolvimento Econômico da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), está marcada para o dia 28 e tem o intuito de debater o impacto do empreendimento de R$ 3 bilhões para o estado.

A informação é do deputado Betinho Gomes (PSDB), que ontem visitou a fábrica da Fiat em Betim (MG). A realização da audiência foi uma solicitação do tucano à Comissão de Desenvolvimento Econômico no início da legislatura.

"Em Betim, os fornecedores não estão instalados na mesma área da fábrica, eles estão pulverizados num raio de 110 quilômetros. Em Pernambuco, todos os sistemistas estarão concentrados num só lugar. Isso vai otimizar a logística da produção", destacou o deputado.

Projeto
A pedra fundamental da fábrica foi lançada em 28 de dezembro, com a presença do ex-presidente Lula. A unidade deve gerar cerca de 3,5 mil empregos diretos, com capacidade para produzir 200 mil veículos/ano. A entrada em operação está prevista para 2014. Segundo o governo do estado, pelo menos 50 empresas (as sistemistas) deverão se instalar ao redor da montadora.

Fonte: Pernambuco.com



BNDES e Fundação Banco do Brasil avaliam projeto social em Suape

O diretor  da  Área  de  Inclusão Social do BNDES, Elvio Gaspar, e o presidente da Fundação Banco do Brasil, Jorge Streit, reúnem-se amanhã (2), a partir das 14h, no  Complexo  Industrial  Portuário  de  Suape. O tema do encontro é o Pais (Produção Agroecológica Integrada Sustentável), projeto que está sendo implantado  em  nove  municípios do entorno do terminal. O investimento é de R$ 5,8 milhões em recursos não reembolsáveis.

A iniciativa, que possibilita ao agricultor familiar o cultivo de alimentos orgânicos para o consumo próprio e para a comercialização, deve beneficiar 540 famílias nos municípios de Ipojuca, Cabo de Santo Agostinho, Escada, Moreno, Sirinhaém, Rio Formoso, Tamandaré, Barreiros  e  São  José  da  Coroa  Grande. 

O Pais é realizado no âmbito do Acordo de Cooperação Técnica e  Financeira  firmado  em  2009 entre o BNDES e a FBB. Com   vigência  de  cinco  anos,  o  acordo  prevê  a  realização  de investimentos  sociais  de  cerca  de  R$  40  milhões por ano, sendo R$ 20 milhões do Fundo Social do BNDES e R$ 20 milhões da FBB.

Fonte: Pernambuco.com

Follow by Email