sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Novo horizonte para o ensino técnico

Governo estadual anunciou a construção de 11 escolas, abrindo portas para mais de 7 mil alunos

A estudante Aline Araújo Chagas, 17 anos, traçou uma meta profissional ousada para o futuro. Ela pretende trabalhar na zona de processamento e exportação de Prazeres, no município onde mora, Jaboatão dos Guararapes. O local vai abarcar os carregamentos que serão enviados do Complexo de Suape até a Região Metropolitana do Recife. Para isso, matriculou-se na Escola Técnica Estadual Maximiano Accioly Campos, em Jaboatão Centro, inaugurada em fevereiro deste ano. Lá, assiste aulas do ensino médio e do curso técnico de logística em período integral. Aline tem certeza de que vai alcançar seu objetivo. Assim como ela, outros 7 mil jovens terão a chance de sonhar alto a partir de 2012 por meio do ensino técnico, muitas vezes a maior oportunidade dada a um adolescente da rede pública. Ontem a Secretaria de Educação do Estado (SEE) anunciou a construção de 11 escolas técnicas a partir de dezembro deste ano. O edital será publicado hoje no Diário Oficial.

A expectativa é de que as obras sejam finalizadas em um ano. Isso significa que as aulas devem começar a partir do ano letivo de 2012. As unidades serão instaladas nos municípios de Lajedo, Araripina, Bezerros, Bonito, Carnaíba, Gravatá, Santa Cruz do Capibaribe, São José do Egito, Igarassu, Camaragibe e Olinda. As construções custarão cerca de R$ 60 milhões. O valor para cada unidade está em torno de R$ 5,4 milhões. Os recursos foram assegurados pelo Ministério da Educação, por meio do programa de ação articulada (PAR), que também envolve a participação dos governos municipais. O terreno para a construção dessas novas áreas de ensino técnico foi cedido pelas prefeituras. Cada escola vai ofertar dois cursos profissinalizantes, definidos após um levantamento realizado na região, levando em conta as potencialidades e vocações econômicas da cidade.

Para cada escola técnica nova serão oferecidas 640 vagas, sendo 160 no ensino médio integrado (com aulas do ensino médio e do curso profissionalizante), e 480 nos cursos subsequentes(voltados para quem já concluiu o ensino médio e busca a profissionalização em um ano e meio). As escolas terão: 12 salas de aula, seis laboratórios de ensino médio, dois laboratórios profissionalizantes, auditório, biblioteca, quadra poliesportiva, anfiteatro, refeitório e cantina. Só neste ano foram inauguradas outras sete escolas técnicas nas cidades de Goiana, Timbaúba, Carpina, Limoeiro, Surubim, Sertânia e Jaboatão dos Guararapes, lugar onde fica a escola de Aline Chagas.

"A escola técnica é uma referência para o mercado de trabalho. Não pensei duas vezes na hora de me inscrever para entrar aqui. Em outra escola, acho que não teria tantas oportunidades quanto tenho aqui. Meu objetivo é trabalhar na logística de Suape", afirmou a estudante, com a eloquência típica dos vencedores. Segundo o secretário de Educação do estado, Nilton Mota, existe um plano de governo que prevê a instalação de escolas técnicas nas cidades pernambucanas que tiverem mais de 40 mil habitantes. O ensino integral, com aulas nos dois turnos, será a meta. "Estamos avaliando em quais cidades vamos implantar outras escolas. Mas, por enquanto, vamos nos concentrar na construção destas 11 unidades em dezembro", garantiu. De acordo com dados do Ministério do Trabalho, a chance de empregabilidade dos estudantes que obtêm o diploma do ensino técnico é de quase 100%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Follow by Email