domingo, 25 de abril de 2010

GM inicia operação experimental em Suape


Ontem, os primeiros 228 automóveis Agile da indústria foram desembarcados no cais 4. A central de distribuição de Veículos da GM no complexo portuário vai ser inaugurada no dia 5 ou 6 de maio

A inauguração oficial da central de distribuição de veículos (CDV) da General Motors, no Complexo Industrial e Portuário de Suape, vai ocorrer no próximo dia 5 ou 6 de maio. O fechamento da data vai depender da saída do navio do porto argentino de Zarate. Ontem, desembarcaram no cais 4, os primeiros 228 automóveis Agile, numa operação logística piloto. O navio STX Oriole, do armador japonês K Line, chegou em Suape por volta das 15h. Representantes da GM e da diretoria de Suape acompanharam a chegada da carga.

A CDV será inaugurada com mais de um ano de atraso em relação ao primeiro cronograma, divulgado no dia da assinatura do termo de compromisso entre o governo do Estado e a GM, em maio de 2008. Na ocasião, o governador Eduardo Campos e o presidente da GM do Brasil e Mercosul, Jaime Ardila, posaram para fotos pilotando carros da montadora estacionados em frente ao Palácio do Campo das Princesas. No evento oficial de lançamento da CDV deverão ser desembarcados 500 veículos. O governador e o executivo da GM vão fazer o desembarque simbólico dos carros.

O navio STX Oriole, que atracou ontem em Suape, tem capacidade para transportar 4.600 veículos. No porto pernambucano foram descarregados 228 e os demais seguirão para exportação. Com 12 porões (andares), a embarcação é uma espécie de edifício-garagem. Os automóveis saem do navio para o cais em rampas. O operador da carga, Edvaldo Batista, da empresa Comércio e Navegação E.Batista, explica que uma equipe de 16 profissionais foi responsável pelo desembarque. "Os estivadores selecionados para realizar essa operação têm curso de especialização para a condução de veículos", destaca.

Segundo o diretor de Operações de Suape, Jorge Dias, após essa operação-piloto, o porto deve receber dois navios de veículos por mês, cada um trazendo 500 carros. Depois de desembarcar no cais 4, os automóveis seguem para o pátio público de veículos, localizado próximo ao moinho da Bunge. "Esperamos que os automóveis fiquem, no máximo, uma semana no pátio público para que sejam viabilizadas as próximas operações", diz. No pátio é realizada a conferência e a liberação da carga pela Receita Federal.

Os carros importados pela GM e recebidos na CDV vão abastecer o mercado nordestino. Além dos veículos fabricados pela montadora na Argentina, a ideia é trazer também do México e da Austrália. De acordo com a companhia, o mercado nordestino responde por 30% das vendas no Brasil e tem registrado crescimento no consumo de veículos acima da média nacional.

A expectativa de Pernambuco é que a chegada da GM coloque em marcha o plano de se tornar o segundo polo automobilístico do Nordeste, atrás apenas da Bahia. Há 15 dias, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Fernando Bezerra Coelho, esteve em São Paulo para negociar com uma montadora de veículos, que ele preferiu não revelar o nome. Os planos do governo incluem a atração de indústrias da cadeia automobilística, a exemplo de fábricas de pneus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Follow by Email