domingo, 19 de julho de 2009

Estaleiro recebe o 1º superguindaste

 

Navio Saga Morus atracou ontem no Porto de Suape com o Goliath, um dos equipamentos gigantes adquiridos pelo EAS para reduzir o tempo de montagem das suas embarcações dentro do dique 

Adriana Guarda

adrianaguarda@jc.com.br

Depois de navegar durante 45 dias da China até Pernambuco, atracou ontem no Complexo de Suape o navio Saga Morus, com bandeira de Hong Kong, trazendo o primeiro dos dois superguindastes Goliath adquiridos pelo Estaleiro Atlântico Sul para agilizar a montagem dos navios. Os equipamentos, que significaram um investimento de US$ 68 milhões, vão reduzir de sete para três meses o tempo de montagem das embarcações dentro do dique. A chegada dos guindastes foi marcada por uma solenidade no cais de acabamento do empreendimento. O desembarque do equipamento, que tem cerca de 170 peças, deve ser concluído em sete dias.

O presidente do estaleiro, Angelo Bellelis, explica que os dois Goliaths vão colocar o EAS na tecnologia de megablocos, que permite acelerar a montagem dos navios. "Juntos, os equipamentos têm capacidade de içar 3 mil toneladas de blocos. Com isso, conseguimos reduzir o tempo de passagem dos navios dentro do dique", diz.

O primeiro Goliath deverá levar entre três e quatro meses para ser montado, devendo iniciar suas operações em novembro. Uma equipe de 50 pessoas vai ficar encarregada da montagem do superguindaste, que é um dos maiores do mundo, com altura de 100 metros (equivalente a um prédio de 30 andares) e tem a mesma capacidade de outros que estão instalados nos mais modernos estaleiros da Ásia. Os Goliaths foram fabricados na China pela companhia coreana WIA.

A previsão do estaleiro é que o segundo guindaste desembarque em Suape no final de outubro e entre em operação em março de 2010. Com os dois Goliaths, em vez de edificar o navio em 92 partes, será possível fazer a montagem com apenas 12 blocos. O primeiro navio suezmax encomendado pela Transpetro ao Atlântico Sul será lançado ao mar em abril do próximo ano. A previsão do EAS é bater quilha (colocar a primeira peça do navio dentro do dique) no dia 13 de agosto. O estaleiro já conta com 40 mil toneladas de aço processadas, volume suficiente para a construção do primeiro navio e para o casco da plataforma P-55 da Petrobras.

De acordo com o presidente do EAS, as obras do site já estão 70% concluídas e serão inauguradas em dezembro deste ano. Hoje, o EAS conta com cerca de 6 mil pessoas trabalhando na obra e outras 2,5 mil contratadas na área industrial.

Na sua carteira de encomendas, o estaleiro já conta com dez navios suezmax e outros cinco aframax para a Transpetro, além de sete embarcações em final de negociação dentro da segunda etapa de encomendas da estatal (Promef 2). O único pacote que não foi para a frente foram dois superpetroleiros (VLCCs) para o armador norueguês Norolil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Follow by Email